"Olá, eu sou a Alice!"
Fale por aqui com a
nossa Assistente Digital

Testes no Natal: devo ou não fazer?

18 Dezembro 20   |   295
Guia para um Natal em Segurança

Os testes à COVID-19 podem ser uma forma das famílias terem uma salvaguarda adicional durante o período de Natal. No entanto, o fundamental é seguir as indicações das autoridades de saúde no que diz respeito às medidas de proteção para conter a transmissão do vírus e ter presente os riscos de nos juntarmos à mesa de Natal. Fique a saber o que fazer neste Natal para se proteger a si e à sua família da COVID-19.
 

Ofereça (a si e aos outros) um Natal em segurança

Da mesma forma que é aconselhável fazer as suas compras de Natal antecipadamente, optando, por exemplo, pelas compras online para evitar deslocar-se a locais onde o distanciamento social é mais difícil de garantir, este ano em particular deve acautelar a logística e a forma como vai celebrar o Natal. Nesse sentido, caso venha a decidir passar o Natal com a família fora do seu agregado, deve garantir que são cumpridas as principais normas de segurança de modo a prevenir o contágio por COVID-19. Aqui indicamos algumas medidas que pode e deve adotar para passar um Natal em segurança.
 

  • Lavar as mãos com frequência

É a base de todas as medidas de segurança. Ao lavar as mãos com sabão ou desinfetá-las com uma solução à base de álcool está a minimizar o risco de infeção. É essencial que o faça assim que chegue a casa, antes e depois das refeições e ao manusear uma máscara.
 

  • Usar a máscara

É outra medida fundamental para minimizar o risco de contágio. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o uso de uma máscara cirúrgica ou comunitária certificada reduz o risco de transmissão de COVID-19.
 

  • Segurança à mesa

Esta é a principal situação de risco de contágio, uma vez que as máscaras são retiradas durante as refeições. É natural que as pessoas tirem a máscara para comer, mas todos sabemos que à mesa conversa-se e projeta-se a voz nas outras pessoas. E é aí que reside o principal perigo de contágio, uma vez que estamos sem máscara. Uma ideia é fazer uma mesa volante, onde as pessoas retiram o seu prato e comem separados e junto ao seu agregado familiar. Outra ideia é sentar os convidados à mesa separados por agregado familiar. O essencial é diminuir o tempo que estamos sem máscara e usá-lo para comer e não falar. Se decidimos juntar-nos no Natal, reservar a conversa e o convívio para quando estivermos com máscara é pensarmos na segurança de quem está connosco.

Ainda relativamente a hábitos recomendáveis à mesa, nunca é demais sublinhar a importância de lavar as mãos antes e depois das refeições e de não partilhar os talheres. São pormenores que podem fazer a diferença.
 

  • Arejar os espaços

É recomendado que se abra uma janela para o exterior para que o ar circule nos espaços interiores. De acordo com o Instituto Max Planck, esta medida pode reduzir o risco de contágio por COVID-19. Esta instituição de referência alemã tornou inclusive público o algoritmo que serviu de base ao seu estudo para medir o risco de contágio em ambientes fechados.
 

  • Se tiver sintomas, não arrisque

Já todos conhecemos os principais sintomas de COVID-19: febre, tosse, dificuldade respiratória ou dores no corpo. Por isso, se na véspera de Natal tiver estes sintomas, resguarde-se e fique em casa em isolamento. Os sintomas de gripe ou constipação podem ser confundidos com os de COVID-19. Parta do princípio que pode estar infetado e não arrisque, pelo menos até ter a confirmação que não está infetado com COVID-19.
 

  • Reduzir os contactos na semana de Natal

Quanto menos forem os contactos que tem durante a semana que antecede o Natal, menor é a probabilidade de ser infetado e, assim, de contagiar. Por isso torna-se fundamental planear e antecipar as compras de última hora de modo a reduzir os fatores geradores de incerteza. Não se esqueça que em caso de contágio o risco de infeção é maior entre o primeiro e o quinto dia com sintomas.
 

Testes de diagnóstico

Os testes de diagnóstico à COVID-19 podem constituir uma salvaguarda adicional, uma vez que um resultado positivo numa Análise PCR ou num Teste Rápido de Antigénio é uma espécie de “cartão vermelho” a passar o Natal com a família alargada. Por isso, é compreensível que muitas pessoas procurem fazer testes de diagnóstico antes do Natal. Nesse sentido, é aconselhável marcar com antecedência o seu teste à COVID-19, de modo a garantir vaga nos horários.
No entanto, o ideal é consultar o seu médico de família e discutir com ele se deve ou não fazer um teste de diagnóstico e que tipo de teste deve fazer. Sem esquecer que, na ausência de sintomas e em caso de infeção, a carga viral pode ser demasiado baixa para ser detetado por um teste rápido, dando origem a falsos negativos.
 

Marque uma consulta com o seu médico

Para melhor se proteger a si e à sua família, é aconselhável marcar uma consulta de Medicina Geral e Familiar com o seu médico. É este o profissional de saúde com o qual deve partilhar a sua estratégia para passar o seu Natal em segurança. Esta consulta está disponível na Cintramédica, também por Videoconsulta.
 

Horários de Natal na Cintramédica

Todas as clínicas e postos de colheitas Cintramédica estarão a funcionar no horário normal até 23 de dezembro. No entanto, a partir do dia 24, os horários estarão condicionados à quadra natalícia. Consulte aqui os horários de Natal da Cintramédica.

Rosinha ma
29 Abril 2021
Quanto terei que pagar para o teste?
Bom dia. Para essas informações solicitamos que entre em contacto através dos nossos canais de Apoio ao Cliente, por favor. Pode consultar todos os contactos através do seguinte link:
https://www.cintramedica.pt/contactos. Obrigado!
Sandra Brandão Félix
29 Abril 2021
Conselhos sempre muito úteis.
Um Natal muito feliz para todo o pessoal da Cintramédica.Ah! E já agora, com muita saúde!
Boa tarde, muito obrigado pelas suas palavras.
A Cintramédica deseja a si e à sua família Boas Festas!