"Olá, eu sou a Alice!"
Fale por aqui com a
nossa Assistente Digital

Laboratório de Análises Clínicas Cintramédica ajuda a avaliar a imunidade de grupo

30 Abril 21   |   213

O Laboratório de Análises Clínicas Cintramédica colaborou recentemente no Inquérito Serológico Nacional - um estudo promovido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) sobre a imunidade de grupo para a COVID-19.

A colaboração do Laboratório Cintramédica e de outros laboratórios do país, foi fundamental para a recolha de mais de 8 mil amostras a nível nacional, um valor quatro vezes superior ao do primeiro estudo realizado pelo INSA no ano passado.

 

Mais perto da imunidade de grupo

Na opinião dos especialistas, a imunidade de grupo à COVID-19 será atingida quando cerca de 70% da população portuguesa tiver anticorpos para o vírus SARS-CoV-2. Essa imunidade poderá ser adquirida por contacto com o vírus ou através da vacinação.

Os resultados da 2ª fase do Inquérito Serológico Nacional revelaram que, à data de 31 de março de 2021, cerca de 15,5% dos portugueses até aos 79 anos já possuíam anticorpos para o vírus SARS-CoV-2.

Para avaliar o nível de imunidade à COVID-19, foram realizadas colheitas de sangue a indivíduos residentes em Portugal Continental e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, de diferentes faixas etárias e sexo.

Com o objetivo de apurar o estado da imunidade da população portuguesa, os departamentos de Epidemiologia e de Doenças Infeciosas do INSA, desenvolveram um estudo que já inclui dados sobre a vacinação. Este estudo foi realizado com recurso aos resultados dos testes de anticorpos (serológicos).

Os números demonstraram uma “prevalência de anticorpos específicos contra-SARS-CoV-2” de 15,5%, versus os 2,9% verificados na 1ª Fase do Inquérito Serológico, realizado durante maio e junho de 2020. Dos 15,5% de indivíduos imunizados, 13,5% tinham tido contacto com o vírus e apenas 2% tinham sido vacinados.

Considerando a amostra da população vacinada, ”a proporção de pessoas com anticorpos específicos contra SARS-CoV-2 foi de 74,9%, sendo que aumentou para 98,5% quando consideradas apenas pessoas vacinadas com duas doses há pelo menos 7 dias”, refere o estudo.

Com a rápida implementação da vacinação contra a COVID-19, haverá interesse em continuar estes estudos serológicos para aferir a imunidade de grupo em Portugal.

A 2ª Fase do Inquérito Serológico Nacional COVID-19 foi desenvolvida e coordenada pelos departamentos de Epidemiologia e de Doenças Infeciosas do INSA, em parceria com a Associação Nacional de Laboratórios Clínicos, Associação Portuguesa de Analistas Clínicos e com 33 Unidades do SNS, tendo sido realizadas 8463 análises entre 2 de fevereiro e 31 de março. Este estudo já está disponível para consulta no site do INSA.

 

Laboratório de Análises Clínicas da Cintramédica: referência no diagnóstico

Desde o início da pandemia que o Laboratório de Análises Clínicas da Cintramédia se adaptou para dar resposta à urgência do diagnóstico da COVID-19. Nesse sentido, a Cintramédica implementou, no departamento de Biologia Molecular, a tecnologia para o diagnóstico de COVID-19 por método de RT-PCR (método de referência), assim como implementou testes de antigénio, constituindo estas duas análises os principais instrumentos do diagnóstico da COVID-19.

Paralelamente, também foram desenvolvidos meios de deteção de anticorpos presentes na resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2, os testes serológicos, que permitem verificar se uma pessoa teve (ou não) contacto com o vírus. Estes testes permitem também confirmar a presença de anticorpos contra o SARS-CoV-2 como resultado da vacinação.

A Cintramédica desenvolveu estas análises de diagnóstico do vírus e deteção de anticorpos SARS-CoV-2 desde o primeiro minuto, constituindo-se o único laboratório de despiste do SARS-CoV-2 no concelho de Sintra.