"Olá, eu sou a Alice!"
Fale por aqui com a
nossa Assistente Digital

Previna a disfunção erétil e preserve a sua saúde sexual

26 Novembro 21   |   1806
A disfunção erétil é definida pela incapacidade do homem manter uma rigidez saudável do pénis durante o ato sexual. Importa referir que não deve ser confundida com impotência sexual, condição que ocorre quando não há ereção. Por outro lado, no estudo, diagnóstico e tratamento da disfunção erétil entram fatores como a duração e rigidez da ereção, assim como os mecanismos que possibilitam a ejaculação.
Quando ocorre?
A disfunção erétil é uma condição que se torna mais comum com a idade, sobretudo a partir dos 65 anos. Como fatores de risco destacam-se alterações neurológicas, metabólicas, ou hormonais. Se, por um lado, é expectável um decréscimo dos níveis de testosterona a partir dos 40 anos, por outro pode haver uma influência de outras comorbilidades que podem contribuir para a degradação da saúde sexual masculina, como a diabetes, hipertensão, quadros depressivos ou cirurgias feitas no passado.
Temos também fatores de contexto que podem também potenciar a disfunção erétil, como por exemplo se o homem está sozinho ou se vive em casal, a opção sexual, ou o tipo de medicação que habitualmente toma.
Existem várias formas de prevenir a disfunção erétil, passando quase todas elas por garantir uma boa saúde cardíaca e pela promoção de comportamentos saudáveis. Vejamos então as dicas mais importantes.


Deixar de fumar

É uma recomendação transversal a qualquer idade, mas especialmente importante para prevenir a disfunção erétil. Isto porque esta condição está intimamente ligada à saúde do coração e à eficácia do sistema circulatório. O consumo de tabaco pode danificar os vasos sanguíneos e prejudicar o fluxo de sangue que chega ao pénis. Por outro lado, um dos principais componentes dos cigarros, a nicotina, provoca a contração dos vasos sanguíneos, situação que pode dificultar o fluxo sanguíneo ao pénis e conduzir à disfunção erétil.


Evitar o excesso de peso e as suas consequências

É uma recomendação que vai permitir preservar a saúde sexual do homem em vários aspetos:
  • Prevenir a diabetes tipo 2, condição que pode provocar lesões nervosas, incluindo na zona do pénis, que pode constituir causa para vários casos de disfunção erétil
  • Controlar a hipertensão arterial e o excesso de colesterol, condições que podem danificar os vasos sanguíneos, incluindo os que transportam sangue ao pénis. Por outro lado, alguma medicação utilizada para controlar estas patologias pode ter como efeito secundário a disfunção erétil. Consulte o seu Andrologista para obter informações sobre fármacos que possam constituir uma alternativa. Não interrompa a sua medicação sem consultar o seu médico
  • A depressão e a ansiedade são distúrbios que afetam a saúde mental e que são relativamente comuns em pessoas com excesso de peso ou obesidade. Nesse sentido, e se estiver a tomar medicação antidepressiva, fale com o seu médico Andrologista no sentido de perceber como a sua terapia pode influenciar a disfunção erétil e quais as opções farmacológicas existentes no mercado. É muito importante que consulte o seu médico antes de alterar qualquer medicação prescrita. 


Opte pelo exercício aeróbico

O sedentarismo pode ser um dos comportamentos de risco que contribui para a disfunção erétil. A atividade física, nomeadamente a que inclui algumas formas de exercício aeróbico, como a corrida ou a natação, ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo do corpo, incluindo a fluidez com que o sangue chega ao pénis. No entanto, há que ter em atenção algumas modalidades que possam exercer demasiada pressão no períneo, zona entre o escroto e o ânus. Os vasos sanguíneos e os nervos do pénis podem ser danificados por excessiva pressão nesta área. Por isso, os ciclistas devem ter especial atenção em garantir que o assento da bicicleta não provoca demasiada pressão nessa área ou, em alternativa, usar calções com um sistema almofadado que previna a pressão no períneo. Há que ressalvar, porém, que uma volta de bicicleta de vez em quando não terá qualquer consequência negativa e que os benefícios desta modalidade podem superar as contraindicações. 


Alimentos que ajudam a prevenir a disfunção erétil

Aqui não falamos de “afrodisíacos”, mas de alimentos que, incluídos numa dieta saudável, podem ajudar a melhorar a circulação sanguínea e favorecer condições ideais para uma saudável ereção do pénis.
Neste capítulo, há que saber primeiro o que evitar: alimentos ricos em gordura saturada, sal e açúcares que possam contribuir para o aparecimento de fatores de risco da disfunção erétil, como o excesso de colesterol, hipertensão ou diabetes tipo 2.
Assim, destacam-se alimentos como:
  • Melancia: rica em antioxidantes como o licopeno, que pode trazer benefícios para o coração e para a próstata
  • Ostras: são ricas em zinco que podem ajudar a aumentar os níveis de testosterona
  • Chocolate negro (com moderação): rico em flavonol, que além de promover o fluxo sanguíneo pode ajudar à produção de óxido nítrico, elemento químico presente no mecanismo da ereção
  • Nozes (com moderação, por serem altamente calóricas): por conterem arginina, um aminoácido que também pode promover a produção de óxido nítrico
  • Salmão, sardinha e cavala: peixes ricos em ômega-3, que ajudam não só a controlar a pressão arterial como na produção de óxido nítrico
  • Azeite extravirgem: por ser rico em antioxidantes ajuda a expelir o mau colesterol (LDL), além de favorecer a produção de testosterona 


Evitar o consumo excessivo de álcool

Não existem evidências científicas que demonstrem que o consumo moderado de álcool seja responsável pela disfunção erétil. No entanto, o consumo prolongado e excessivo de bebidas alcoólicas pode provocar danos no fígado e nos nervos, interferindo com o equilíbrio hormonal do homem e, consequentemente, podendo conduzir à disfunção erétil.


Evitar o consumo de drogas

A maior parte das drogas ilícitas podem provocar disfunção erétil, uma vez que diminuem a atividade do sistema nervoso central e prejudicam os vasos sanguíneos. Além da dependência e consequências para a saúde mental, prevenir a disfunção erétil é outro bom motivo para suspender o consumo de drogas.
Por outro lado, e no que diz respeito às pessoas que utilizam esteroides anabolizantes para uma rápida obtenção de massa muscular, a sua toma pode contribuir para a diminuição do volume testicular e prejudicar a sua capacidade de produzir testosterona.


Relaxe e controle o stress

O stress psicológico pode aumentar os níveis de adrenalina no sangue, situação que provoca a constrição dos vasos sanguíneos prejudicando assim uma ereção saudável. Controlar os níveis de stress pode ser fundamental para aliviar essa tensão no sistema circulatório e promover a saúde sexual.
Conheça os efeitos secundários da sua medicação
Existem alguns medicamentos cujos efeitos secundários podem provocar disfunção erétil. São eles os diuréticos, antidepressivos, relaxantes musculares, medicamentos para o cancro, anti-histamínicos ou analgésicos opioides. No entanto, é muito importante que não pare nenhuma terapêutica prescrita pelo seu médico por sua conta. Se tem disfunção erétil fale com o seu Andrologista sobre alternativas a estes medicamentos.

Autor do artigo

Jorge Rocha Mendes

Urologista